Como Dedicar Adequadamente o Mérito

A maneira apropriada de fazemos uma dedicação é muito bem descrita por Shatideva no último capítulo de Engajando-se no Caminho do Bodhisattva, o capítulo da dedicação. Ele não diz: “Que eu consiga atingir a iluminação para que possa eliminar o sofrimento de todos os seres.” Ele não faz a dedicação considerando apenas o caso dele. A ênfase não está no “eu”, como em “Que eu consiga atingir a iluminação para que eu possa eliminar o sofrimento de todos os seres.” Isso seria uma dedicação misturada com apego a um “eu”, não seria?

No capítulo da dedicação, Shantideva simplesmente diz: “Que todos possam atingir a iluminação” e “Que o sofrimento de todos os seres possa ser eliminado”, “Que isso atue como causa para que todos possam atingir a iluminação, para que nenhum ser tenha que passar pelo sofrimento dos estados piores (inferiores) de renascimento”, e assim por diante. Portanto, não tem nada a ver com “eu” me tornar um grande bodhisattva, me tornar um Buda que vai ajudar os outros.

Em vários textos, diz-se que é como se fossemos fazer uma viagem com pessoas muito ricas que estivessem levando uma quantidade enorme de grãos para comer durante o percurso. Podemos imaginar uma caravana no Tibete com exemplo. O que queremos é contribuir, mesmo que só tenhamos uns poucos grãos. Nossos grãos irão se misturar com os de todos os outros viajantes, e dos patrocinadores, para que, de certa forma, possamos contribuir um pouco para o bem de todos.

Da mesma forma, acrescentamos a força positiva que geremos, por menor que seja, à enorme quantidade de força positiva que todos os bodhisattva dedicaram à iluminação de todos os seres. Eles não a dedicaram à própria iluminação, dedicaram-na para a iluminação de todos os seres. Quando acrescentamos uma pequena quantidade de força positiva à esse enorme estoque, dedicando-a à iluminação de todos os seres, ela terá um efeito muito maior.

Precisamos ter muito cuidado na nossa prática de bodhisattva para não misturá-la a preocupações autocentradas: “Que eu — eu, eu, eu — possa atingir a iluminação. Que eu — eu, eu, eu — possa ajudar todos os seres.” E também não é “Que minha pequena quantidade grãos possa alimentar a todos”.

É por isso que a compreensão da vacuidade na dedicação do mérito é tão importante. Assim, evitamos os extremos de fazer a dedicação preocupados com o “eu” sólido.

Trecho do texto The Six Perfections and Daily Practice

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s